Inspiração do dia

È lindo esse vestido *_*

Make pra quem tem olhos puxados

É lindo quem tem olhos puxados, acho que a maquiagem fica linda neh!?

Porém deve ser a maior barra na hora de maquiar os olhos. Aqui vão algumas dicas para quem quer aquela make fantástica e ainda fazer aquele olhar 43.

  • Aplique a sombra acompanhando o formato do globo ocular. Use sempre sombras de tons escuros para dar maior profundidade ao olhar e disfarçar a pálpebra cheia.
  • Para aumentar os olhos, faça um traço fino com delineador preto rente aos cílios. Esfume a pálpebra com uma sombra mais escura, começando  de fora pra dentro. Use uma sombra mais clara no canto interno da pálpebra.

  • Nunca use lápis preto na parte interna dos olhos para não diminuí- los.
  • Abuse de máscaras para cílios e cílios postiços para realçar o olhar.
  • As orientais devem usar um pó bem suave após a base para amenizar a oleosidade, que é bem comum nesse tipo de pele. Para finalizar a pele, o legal é aplicar um blush de tons alaranjados ou terrosos. Passe o produto sobre as maçãs do rosto.
  • As cores de batons que mais combinam com a pele oriental são os vermelhos e alaranjados.

Espero que tenham gostado das dicas 🙂

Laços entre nós

Eu adoro criar laço com pessoas.Mas são laços, e não nós. Um laço é singelo, ornamental e poético. Fácil de apertar ou de afrouxar, até mesmo de desmanchar. Um laço é singelo, ornamental e poético. Fácil de apertar ou de afrouxar, até mesmo de desmanchar. O nó é cego, egoísta e controlador. Não se molda a você, mas faz você se moldar a ele. Limita sua respiração, seus movimentos, seu ir e vir.O laço é solto, é quase um cúmplice. Te acompanha onde for e te deixa ir sem rancor. O laço te deixa crescer, não te censura, não te deixa marcas na pele. Não prende a sua circulação.  Já o nó é violento, dramático, apegado e dependente. Desfazer um laço é simples: basta um dos lados, de mansinho, puxar o que é seu para junto de si e adeus! Escorregar para longe dali. Desfazer um nó cego é uma coisa mais complicada.  Só cortando, arrebentando, gastando muita unha ou uma lâmina afiada. Na falta de coragem para cortar a relação de vez, também se pode cutucar, com um espeto, agulha ou intriga bem pontuda, no meio do coração do nó, desfiando aos poucos suas fibras, rompendo dissimulamente, como água mole dissolve pedra dura, as amarras mais profundas. Tudo isso não sem desgaste, sem feridas. Nem sem cada parte sentindo ao sair dali, que falta um pedaço de si. Para refazer um laço partido é fácil, basta querer. Refazer o nó que é complicado, se depois de partido, as duas partes já não se alcançarão, devido a um pedaço perdido de sua individualidade.

                                                                                                                                        Thiago Nuts